A Deriva dos Olhos

Bruno Senune

PT
Convento da Saudação
28 AGO 2017 a 03 SET 2017

A Deriva dos Olhos é uma construção poética sobre o caos, a impotência, a destruição do desejo, o cansaço extremo e o caminho percorrido até uma possível metamorfose que permita a sobrevivência. A pesquisa de formas de metamorfosear o corpo, a percepção do mesmo e daquilo que o caracteriza, como metáfora para outras possibilidades de entendimento do mesmo enquanto motor identitário imagético. A exposição da fragilidade e de uma narrativa de sobrevivência, a tristeza que se festeja, a mudança que é necessária para continuar a percorrer os lugares da vida, o limbo constante entre o equilíbrio e a queda, o alívio por entre a ansiedade da impossibilidade. Texto de Telma João Santos

Concepção & Interpretação: Bruno Senune
Sonoplastia: Flávio Rodrigues
Desenho de Luz & Execução: Zeca Iglésias
Textos & Documentação: Telma João Santos
Figurino: Carlota Lagido
Adereço: Bruno Senune & Bernardino Santos (Marcenaria)
Máscara: Susana Chiocca
Cenário: Bruno Senune com a colaboração de Flávio Rodrigues
Fotografia Promocional: Flávio Rodrigues & Cristina Marques (Caligrafia)
Registo Fotográfico: Tiago Aguiart
Vídeo: Daniel Pinheiro

Residências | Balleteatro, Circular Festival de Artes Performativas, O Espaço do Tempo Cedência de Espaço | NOME EIRA

Co-produção | Circular Festival de Artes Performativas Apoio | Bolsa Jovens Criadores 2016 - Centro Nacional de Cultura / Instituto Português do Desporto e Juventude