Nova Criação

Filipe Pereira e Teresa Silva

PT
Convento da Saudação
14 AGO 2017 a 10 SET 2017

Começámos esta Nova Criação a formar arquivo, confiando que se captássemos o que fazíamos, poderíamos olhar para o que já aconteceu e assim, tentando não perder o fio à meada, procurar pistas que nos informassem sobre o que poderíamos construir para a frente. A cada nova dança a dois gravamos e projectamos na parede de fundo a filmagem da vez anterior. A partir daqui desenvolvemos um dispositivo cénico que é a materialização do movimento de ida do agora para o passado e para o futuro. Uma mise en abyme ou túnel temporal que permite ver o que se repete e o que varia, revelando o caminho da construção desta peça.
O curioso é que, entusiasmados a responder ao processo, exageramos, e quanto mais nos filmamos, mais nos reproduzimos e mais nos desmultiplicamos, correndo o risco de baralhar o que é imagem e o que é realidade. Filmar é tentar sobreviver, mas é também mostrar uma morte. Daí surge a necessidade de reformulação constante, porque precisamos sempre de continuar. Não é?

Direção artística, interpretação, cenografia e figurinos: Filipe Pereira e Teresa Silva
Direção técnica e desenho de luz: Frederico Godinho
Desenho de som: Rui Dâmaso
Acompanhamento artístico na residência de Novembro 2015: Sabine Macher
Agradecimentos: David Cabecinha, Horta Seca e O Espaço do Tempo.

Apoio residências: Anda&Fala Associação Cultural, Devir/CAPa, Materiais Diversos/Centro Cultural do Cartaxo, Centro Cultural da Gafanha da Nazaré, O Espaço do Tempo e Escola Superior de Dança. Coprodução: Teatro Maria Matos/Festival Temps d’Images Lisboa Apoio à criação: Circular Associação Cultural e Materiais Diversos