Vespa

Rui Horta

PT
Convento da Saudação
02 FEV 2017 a 16 ABR 2017

Uma peça sobre uma cabeça a explodir, sobre o que nem sequer falhámos porque nos coibimos de cumprir.  Na dupla condição de voyeur, a do outro e a de si próprio, o público compõe o tétris do personagem em cena, desafiando a sua própria concepção do registo público e privado.  Este solo é uma possibilidade, uma fractal, marca fugaz.  Rui Horta é um veterano selvagem. Só essa condição lhe permite hoje a ousadia e a obstinação de voltar ao palco após 30 anos de ausência. Ou é ou não é. Então, que seja. Que haja luz, fogo, dor e, sobretudo, corpo. Que haja um raio que ilumina e destrói. Mas que haja. Que seja. Uma vespa dentro da cabeça, um zumbido a roer o pensamento.

©Rui Horta

Direcção, iluminação, interpretação, espaço cénico: Rui Horta
Música original: Tiago Cerqueira
Aconselhamento: Tiago Rodrigues e Marlene Monteiro Freitas
Direcção técnica: Tiago Coelho
Produção executiva: Mariana Brandão 

 

Co-produção: Centro Cultural Vila Flôr / Guimarães, Convento S. Francisco / Coimbra, Teatro Aveirense / Aveiro, Centro de Artes de Ovar / Ovar, Hellerau Europäisches Zentrum der Künste / Dresden / Alemanha
Apoio: O Espaço do Tempo / Montemor -o- Novo.