AIM

Flávio Rodrigues

PT
Convento da Saudação
28 JUL 2016 a 05 AGO 2016

AIM é uma performance a solo, onde a cenografia, a sonoplastia e a coreografia são construídas como metáforas para o seu desaparecimento. O Medo, o Fim e a Extinção são explorados a partir do conflito e da ameaça em direcção ao vazio. Proponho para este projecto a exploração do conflito e da cominação para com o espaço teatral e para com o corpo como protagonista da acção.A luta do intérprete no esvaziamento da sua existência. O palco é visto em AIM como uma maquete do universo. Um modelo do que somos, do mundo que habitamos e dos espaços e estados que permeamos. É nesse lugar, representativo da utopia, que se geram os confrontos situados num contexto de celebração (ritual).Os materiais a testar são essencialmente primários. Quero explorá-los com o objectivo de encontrar a força, a vulnerabilidade, a efemeridade ou a impermanência de cada elemento. A areia como arquétipo, que gera uma paisagem onde estão presentes a sensação de abismo e, assim, a criação de um mapa vertiginoso.AIM é a metáfora do tempo, de um corpo e de um espaço teatral actual, em conflito, em guerra. O confronto como gerador de desaparecimento, e este como fim último. A extinção de um lugar, que é também o do teatro, visto como lugar de representação de si.No limiar da extinção, o que resta? O que se propaga? O que substitui? O que sobrevive?