Festival

mala voadora

Portugall
BlackBox d'O Espaço do Tempo
24 AGO 2015 a 13 SET 2015

 

As narrativas melodramáticas, como as telenovelas por exemplo, culminam com um juízo final: o momento em que os bons, prolongadamente sujeitos ao sofrimento pelos maus, encontram finalmente a felicidade que merecem. O destino confere-lhes essa felicidade. Em várias religiões, a felicidade só pode ser atingida depois da morte, porque só então se é sujeito a um juízo final e à sorte que ele determinar, desejavelmente boa. Aqui já não se trata do destino, mas de um deus que tudo vê e tudo sabe. Acreditar que alguém detém a verdade é bastante tranquilizador, porque esse alguém, na sua omnisciência, se encontra em posição de garantir a justiça, mas também porque nos garante que a verdade é uma coisa que existe. Exatamente como no CSI. Os sofisticados laboratórios e os incorruptíveis agentes policiais, combinados, dão-nos uma garantia de verdade apenas comparável com aquela que nos pode dar um deus; no final de cada episódio, teremos certamente o inevitável fim feliz (ou seja, justo). Festival é um espetáculo em que a mala voadora vai tratar de fins felizes e da morte.

 

direção Jorge Andrade
com assistência de David Cabecinha
com Anabela Almeida, David Cabecinha, Jorge Andrade e Maria Ana Filipe
cenografia e figurinos
José Capela
luz Daniel Worm d’Assumpção
vídeo de divulgação Jorge Jácome e Marta Simões
fotografia de cena José Carlos Duarte .
produção Joana Costa Santos
gestão cultural
Vânia Rodrigues .
coprodução
CCB, CCVF e mala voadora

A mala voadora é uma estrutura financiada pelo Governo de Portugal / Secretário de Estado da Cultura / Direcção-Geral das Artes, e associada d'O Espaço do Tempo e da Associação Zé dos Bois.