canções i comentários - Exmo. Sr. Blarmino

Rui Catalão

Portugal
Convento da Saudação | Montemor-o-Novo
19 MAI 2014 a 25 OUT 2013

Canções i comentários é um acto de resgate cultural; um documentário cénico sobre a música de Blarmino; uma narrativa sobre o seu talento e insucesso; um exercício de interpretação, escuta e encenação das suas canções, com suas histórias e anedotas; uma digressão pela memória recente de uma geração que nasceu depois do 25 de Abril e que parece cultivar o auto-apagamento; uma celebração musical colectiva.

Através das canções e das histórias de Blarmino, músico e escritor de canções, Canções i comentários propõe fazer eco da voz, da palavra, da poesia, e do sentido histórico de uma geração inteira de jovens adultos sem ocupação aparente, sem emprego, que passou a sair à rua para expressar a urgência de encontrar uma presença activa na sociedade, mas que parece perdida na reivindicação de um caminho, para além da fuga – ou para dentro de si mesma, ou para fora do país.

Não se trata de reivindicar o mundo como ele deveria ser, mas de encontrar um lugar nele. Como canta Blarmino numa canção já escrita de Londres para os portugueses em 2012: "Boy/ Vou-te contar como até dói/ A bicharada emergiu do esgoto e invadiu/ o Cristo-rei// E uma a uma/ Até já não sobrar nenhuma/ Lá fui comendo a sumaúma / Da almofada em que repousei...// Toca lá essa/ Antes que esqueça / Iá, curto cenas maradas/ O que é que se faz por aí?"

Canções i comentários é um convite para o público entrar na música da sua própria vida – ou como espectador em cena, ou descobrindo o seu lugar no interior do espectáculo.

Peça de teatro anfíbia, misto de documentário cénico e celebração musical em que o protagonista está ausente, em Canções i comentários o que resta são as canções e as histórias de Blarmino. O narrador é um guia. Conta histórias, analisa as canções e desenvolve com o público um processo de aproximação, ao universo artístico de Blarmino e à história recente do país. Procura criar um espaço de partilha e de pertença, em que música, tempo histórico, assim como as individualidades que compõem o público, estão contidos numa mesma encruzilhada.

Canções i comentários, dá corpo ao conceito de "solo acompanhado". Trata-se de assumir a noção clássica de solo (de um trabalho de movimento; de transformação do corpo; de re-criação de personagens; de recuperação da figura popular do "contador de histórias"). Partindo dessas convenções do trabalho performativo, é desenvolvido um enunciado de personagens ausentes, através de um narrador em diálogo directo com as pessoas concretas que se encontram no público. 
As canções de Blarmino representam, abordam e dirigem-se a uma geração de pessoas que hoje está no centro das atenções da sociedade portuguesa: uma geração de pessoas qualificadas, mas sem independência económica, que estão no desemprego, ou trabalham em regime de trabalho precário, ou que nunca exerceram profissionalmente nas áreas e especialidades para as quais se formaram. Este projecto é um retrato artístico que reconhece e dá a mostrar que vida está contida nessas vidas escondidas que publicamente parecem não existir.
É um repto lançado ao público: tomar conhecimento, rever-se nessa experiência pessoal, e partilhar a sua própria experiência, e envolver-se na dimensão pública do acontecimento.

[participação da comunidade] 

Com o objectivo de fazer uma peça habitada, convidam-se também os programadores a sugerirem grupos locais (preferencialmente de jovens) que estejam disponíveis para participar em sessões de trabalho na semana anterior à apresentação pública. O objectivo é encenar a própria ideia de público, assim como de comunidade participante, quer na relação com a peça, quer com as canções de Blarmino.

[equipa de trabalho]

autoria e direção cénica: Rui Catalão
música: Pedro Oliveira 
desenho de luz: Cristóvão Cunha 
som: João Bento 
produção executiva: Tânia M. Guerreiro 
produção: Produções Independentes