Sem Título - Título Provisório

Sofia Dinger

Portugal
20 JAN 2014 a 31 JAN 2014

"Ao escolher um Mestre, o melhor é escolher um que seja grande. Isto não quer dizer que estamos a comparar-nos. Significa, simplesmente, que estamos a tentar aprender alguma coisa com ele.", disse Jean Renoir.

E eu segui o conselho, escolhendo-o como um dos meus Mestres. 
Encontro-me com ele na sua desconfiança no que toca a planos demasiado definidos, partilho a sua incapacidade de seguir uma linha. "Amo o seu caos."
Dentro dos meus limites, percebo "a personagem secreta, misteriosa, a que age ao arrepio das nossas vontades", que engole a partir de dentro e de que ele  tanto fala.
E procuro a exaltação do estado de vida, a volúpia, a violência de um corpo em desejo deitado nas margens pinceladas dum rio.
Confio que "Há um momento em que a criação nos escapa." E que é nesse  momento que estou.
Entretanto, recorro ao "Mon petit théãthre" e construo na companhia do Mestre que escolhi, apropriando-me da sua receita de felicidade: trabalhar com aqueles de quem gosto muito.
 
 E não tenho a certeza se o que acabei de escrever é mesmo verdade ou, talvez, uma grande ilusão.